OS PAIS AO SERVIÇO DA EDUCAÇÃO


SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO - POSIÇÃO DA APEAVES QUANTO AO CONDICIONAMENTO DO ACESSO AO PRATO DE DIETA

05-04-2013 11:30

Tendo tido conhecimento da decisão da Autarquia, de condicionar o acesso ao prato de dieta a situações pontuais e outras devidamente justificadas com atestado médico, a APEAVES remeteu a esta entidade um pedido de esclarecimento no passado dia 12-03-2013, com o teor abaixo transcrito:

Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço e demais responsáveis pelo serviço de alimentação,

Na sequência de algumas reclamações apresentadas por Pais e Encarregados de Educação, às  Ementas praticadas pela Empresa que atualmente fornece as refeições aos alunos do ensino Pré-escolar e do 1º Ciclo no Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral, vem esta Associação de Pais junto da Autarquia, Entidade responsável nesta matéria, informar as situações que nos têm sido reportadas:

  1. Sopas demasiado aguadas sendo que, em duas Ementas especificas as mesmas são condimentadas com hortelã e coentros, o que se verifica não ser do gosto da maior parte das crianças.
  2. Pratos como Arroz de bacalhau, Arroz de Polvo, Jardineira de Lulas, como ementas que se verificam também não serem do gosto da maior parte das crianças.

Até ao momento, tem esta Associação abordado este assunto junto dos Pais de modo a minimizar a preocupação dos mesmos relativamente a esta matéria.

De modo a ultrapassar estes constrangimentos os Pais têm tido o cuidado de solicitar os pratos de Dieta.

 É uma alternativa, a nosso ver razoável, embora a mesma exija da parte de Vssas. Excas. um esforço acrescido em termos logísticos, serve o nobre objetivo de garantir que a alimentação dos alunos nesses dias não se resuma a um prato de sopa e a uma peça de fruta, e evita desperdícios de alimentos que sejam colcoados nos pratos dos alunos e que não sejam consumidos.

Evita-se também que esses pais tenham de custear uma refeição e simultaneamente enviar um lanche reforçado para o seu educando, apenas porque não existe uma adequação do serviço prestado, aos utentes desse mesmo serviço.

Por outro lado, se a alternativa de um prato de dieta existe há que, a nosso ver, mantê-la sujeitando-a a um aviso prévio razoável, que permita a Vssas. Excas. organizarem o serviço em função dos pedidos que vos chegam. Nesse sentido, não nos parece razoável que se limite o acesso a um prato de dieta a uma recomendação médica ou a outro motivo que Vssas. Excas. considerem “de força maior”.

Apelamos, por isso, à vossa sensibilidade para as questões que nos foram expostas por Pais e Encarregados de Educação, sugerindo que o prato de dieta possa ser uma alternativa ao prato previsto para o dia, desde que seja solicitado com uma antecedência razoável e compatível com a organização dos serviços de Ação Social da Autarquia.

Certos de que esta nossa comunicação terá da parte de Vssas. Excas. o melhor acolhimento e que teremos uma resposta célere

O Presidente,

 

A Autarquia respondeu no dia 15/03/2013, num email com o seguinte teor:

Exmo. Senhor Presidente da APEAVES,

 Na sequência do V. ofício com a referência 12AL1213, datado de 12/03/2013, cumpre-nos esclarecer que as ementas são elaboradas por um nutricionista, consultado para o efeito pelo Município de Sobral de Monte Agraço, e têm em atenção os princípios de uma alimentação diversificada  e equilibrada,  adequada à faixa etária da população escolar.

Por intolerância, alergias alimentares ou outra indicação clínica é possível a solicitação de prato de dieta específica. Contudo, conscientes de que  por vezes, as crianças apresentam indisposições por curtos períodos de tempo,  o Município tem acedido ao facto de os encarregados de educação poderem solicitar prato de dieta no próprio dia, por forma a colmatar uma situação temporária de doença.

Mais informamos que se pretende que o refeitório seja um espaço de educação alimentar, pelo que os pratos de dieta apenas devem ser solicitados por motivos devidamente justificados, e não pelo gosto dos alunos. Assim, a solicitação do prato de dieta deverá ser, sempre, considerada com carácter excepcional.

Salientamos que o Município de Sobral de Monte Agraço tem acompanhado o serviço de refeições diariamente e todas as situações anómalas têm sido prontamente resolvidas, por forma a que não se verifique qualquer constrangimento no serviço.

 

No dia 17/03/2013, a APEAVES respondeu à Autarquia, também por email, cujo conteúdo transcrevemos abaixo:

Exmos. Srs.,

Quanto à questão da alimentação, e não querendo desencadear qualquer espécie de conflito, as ementas publicadas no site do Município contemplam, e a nosso ver muito bem, um prato de dieta sem especificar qualquer condicionante ao acesso a esse prato.

Salientamos ainda que as reclamações que temos recebido apontam para uma quantidade considerável de encarregados de educação que recorrem ao prato de dieta como alternativa ao prato principal. Ora, se a quantidade de encarregados de educação é assim tão elevada, temos de concluir que há algo de errado com o prato principal. Por outro lado não vemos qualquer problema em que os encarregados de educação recorram a um prato de dieta que, por norma, se constitui como uma refeição mais salutar do que o prato proposto na ementa.

Estamos disponíveis para contribuir para se encontrar uma solução que minimize o descontentamento dos encarregados de educação (ao qual teremos de dar o necessário seguimento) e o conflito desnecessário e infrutífero.

Na nossa opinião, a gestão do serviço de refeições seria muito mais profícua e demonstrativa da preocupação de servir os seus utentes se o acesso ao prato de dieta (fora do âmbito das situações que surjam no próprio dia) não fosse condicionado ao estado de saúde do aluno comprovado por uma prescrição médica, mas sim a um aviso prévio por parte do encarregado de educação. Diríamos que uma semana deantecedência seria razoável.

Apelamos por isso à vossa sensibilidade nesta matéria, certos de que todos temos o dever de defender os interesses daqueles que usufruem diariamente deste serviço.

 

Fica assim bem patente a posição da APEAVES em relação a esta matéria.

Estamos convencidos de que esta questão poderá ser resolvida a contento de todos se a Autarquia adotar a sugestão que a APEAVES se dignou remeter-lhe, evitando-se desta forma o descontentamento desnecessário de Pais e Encarregados de Educação que são afinal aqueles que pagam este serviço. Apelamos por isso ao bom senso da Autarquia para que reveja a sua posição nesta matéria.

Por último reiteramos a todos os Pais e Encarregados de Educação a nossa disponibilidade para continuar a acolher e encaminhar todas as reclamações que estes entendam por bem fazer-nos chegar, seja em relação à alimentação (como aconteceu num passado recente) seja em relação a qualquer outra matéria.

Um Bem Haja a todos.

—————

Voltar