OS PAIS AO SERVIÇO DA EDUCAÇÃO


RASTREIO CARDIOVASCULAR NA ESCOLA SEDE - APEAVES PEDE EXPLICAÇÕES À DIREÇÃO DO AGRUPAMENTO

21-05-2013 22:19

Fomos confrontados com uma denúncia, feita na rede social FACEBOOK por alguém que foi contactado telefonicamente para estar presente na Escola-Sede do Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral para realizar um rastreio cardiovascular.

A iniciativa estaria a ser levada a cabo por um "grupo de médicos cardiologistas preocupados com a falta de resposta dos hospitais públicos" relativamente a esta matéria.

No entanto, e de acordo com a informação que pudémos aceder, constatou-se que esta iniciativa tinha uma motivação comercial, havendo relatos de pessoas que foram convidadas a adquirir diversos produtos.

Esta denúncia foi-nos feita em 27/03/2013 e suscitou-nos desde logo bastantes preocupações e um grande sentimento de revolta. Recorde-se que a APEAVES (que representa os Pais e Encarregados de Educação - os principais interessados no processo educativo) se viu impossibilitada de fazer as suas reuniões na Escola-Sede do Agrupamento por incompatibilidade de horários, sendo que o Agrupamento alegava indisponibilidade de verba para pagar a alguém que garantisse a abertura da Escola para as Reuniões da APEAVES.

A serem verídicas as afirmações publicadas na rede FACEBOOK, não compreendemos qual o critério (ou a sua falta!) da Direção do Agrupamento que levou a que a Escola-Sede fosse aberta a uma instituição completamente alheia ao Agrupamento e, mais grave, para fazer comercialização de produtos à custa da saúde de várias pessoas da comunidade que foram telefonicamente convidadas para estarem presentes. 

Nesse sentido, em 02/04/2013, deu entrada na secretaria do Agrupamento um pedido de esclarecimentos da APEAVES relativamente a esta matéria.

 

Volvido mais de um mês sem que a Direção do Agrupamento se dignasse responder, a APEAVES remeteu o mesmo pedido à Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares e, estando em causa o bom nome da Instituição Escola (onde os nossos filhos e educandos passam a maior parte da sua vida em período letivo) solicitámos à Inspeção Geral do Ministério da Educação e Ciência que averiguasse os fatos e atuasse em conformidade

Um Bem Hajam

 

—————

Voltar